domingo, 3 de janeiro de 2010

Estruturando aulas: um exemplo no Trapézio

Olá pessoal!

Sejamos todos bem vindos a 2010!
Gostaria de iniciar este ano convidando vocês a pensar um pouco sobre estruturas de aula.
Existem vários fatores que devem ser levados em conta para se estruturar uma aula e, por isso mesmo, é fundamental que essa aula esteja planejada antes dela acontecer.

É possível que se diga que quando definimos algum tipo de estrutura, estamos limitando a criatividade do professor.
Mas, pela minha experiência, eu digo o contrário: resolver na útlima hora o que será oferecido como repertório pode fazer o professor entrar num círculo vicioso em que as mesmas máquinas acabam sendo oferecidas sempre para os mesmos tipos de exercícios.

O circuito é uma forma possível e cômoda de trabalhar, mas muitas vezes ele acaba levando, novamente à repetição de exercícios. É bom optar por ele como uma das possíveis formas de trabalhar, mas não a única!

Variar é fundamental, mas dentro de uma estrutura de aula.

Pensando em alunos mais iniciantes e intermediários, nossa equipe organiza os conteúdos da seguinte forma:
exercícios com foco em estabilização (exercícios de ativação do centro com desafios de alavanca); exercícios abdominais propriamente ditos com flexão torácica;
mobilidade da coluna em todos os planos (flexões laterais, extensões, rotações, flexões completas);
exercícios para membros inferiores e superiores; exercícios de integração de movimento.

Obviamente, quanto mais avançado o aluno for, mais essa estrutura se perde e aparecem mais exercícios de integração de movimento aonde todo o copro é solicitado simultaneamente.
Mas tanto para o aluno, quanto para o professor iniciante, essa estrutura pode ajudar e dar uma linha de raciocínio para a organização dos conteúdos garantindo que todo o corpo tenha participado da aula.

Muitas vezes, no início, nem sequer conseguimos colocar um exercício para cada um destes elementos.

Com um aluno muito desorganizado, com uma consciência corporal muito pobre, geralmente levamos mais de metade da aula trabalhando estabilizações com dissociações de membros, respiração, ativação de centro.
Quando vamos notar, ops!! Faltam apenas 15´de aula. E agora, o que vou dar?

Hora de pensar na avaliação postural do aluno e em seus objetivos. Também hora de lembrar se deixamos ele por toda aula deitado se não seria interessante oferecer um exercício sentado ou em pé!
Valorizar agora a mobilidade da coluna, o foco na mobilidade das costelas, da caixa torácica com gostosas extensões e flexões laterais, por exemplo.

De qualquer forma a idéia é aqui é estimular vocês a criar uma estrutura de aula e um registro do que vem acontecendo com o aluno, de forma que suas ações possam ser efetivas e que o maior número de opções que o ambiente de Pilates oferece seja lembrado e aproveitado.

Fica abaixo uma dica concreta de aula de trapézio básica que procura seguir a estrutura sugerida.

Estabilização com desafios de alavanca de MMII e MMSS
Abdominais propriamente ditos - single leg e teaser prep.
Mobilidade da coluna - Swan (foco torácico) e Mermaid (sentada) Foot work Arm work sentada e rotação em pé

Experimentem e vamos compartilhar nossas experiências! Beijos!

8 comentários:

Profª. Vânia Almeida disse...

Oi Silvia, há algum tempo venhoseguindo seu blog e a dica de hoje foi muito importante, pois as vezes esquecemos mesmo de estruturar nossas aulas e por isso muitas vezes os alunos reclamam e acham monotónas.

Obrigada por compartilhar. Professores, temos que ser mais dinâmicos em nossas aulas, chamar mais a atençãod o aluno.

bjos e sucesso!

Vânia

Silvia Gomes disse...

Oi Vânia, fico contente de poder contribuir para melhorar a qualidade das aulas de Pilates do pessoal que acompanha o blog. E exatamente esse seu objetivo. Beijo grande, excelente 2010, Silvia.

Renata Batista disse...

Oi Querida, bom passar aqui... Tava pensando esses dias sobre os viciosos rodízios, conversei um pouco com a Cintia, e esse post, me deu uma inspirada a voltar a elaborar mais as aulas! beijos!

Silvia Gomes disse...

Isso garota! Não caia na rotina.. Lembre-se que o estúdio é um parque de opções! Beijos!

Patricia Lobo disse...

Oi Silvia, entao cá estou eu novamente, lendo e aprendendo.
Eu acredito que além do domínio nos movimentos devemos ter realmente a preocupação com a aula em si. O que vc acha da sequência que a Polestar propõe?
1-Membros inferiores (posição supina);
2-Membros superiores (posição supina);
3- Suporte de carga membros superiores;
4- Extensão coluna;
5- Integraçao Membros sup. e inferiores;
6- Integração do movimento;
7- Ortostase;
Me confunde um pouco esta sequencia, acredito que no dia a dia seja diferente e gosto muito da sequência que vc propos.
Voce coloca os membros inferiores e superiores no final tem algum propósito especifico?
Obrigada por passar sua experiência

Beijos e boa semana!!

Silvia Gomes disse...

Oi Pati. Então: também não tenho muito clara na minha cabeça a sequência proposta pela Polestar. Vou até procurar esclarecer essas dúvidas com as educadoras. No caso da minha proposta quero que você leve em conta que:
- não é radical, ou seja, nem sempre sigo a mesma sequência
- é uma estrutura, principalmente, para iniciantes (professores e e alunos)
- é uma estratégia didática de apoio
Voltando a sua pergunta: gosto de trabalhar primeiro a consciência do centro porque acredito ser a zona que mais precise ser despertada (a ativação do CORE). Estando com um centro mai desperto fica mais fácil mobilizar a coluna com garantia de alongamento axial. Posteriormete entram os trabalhos mais efetivos de membros (claro que ainda com foco nas conexões com o centro).
Mas no trabalho de molas por exemplo, inicio trabalho de centro com as alças nas coxas para alinhamento e variação de estímulos ( para trabalhar Dead Bug e Abdominais, por exemplo) e já passo para pernas em cadeia aberta (Spring Series). Nada é radical. Beijos, Silvia.

Maria Dolores Martinez disse...

Oi Silvia, depois que estou conhecendo seus cursos e seu blog, só tenho que agradecer pela complementação em meu trabalho, pois vc é uma pessoa que gosta de compartilhar seus conecimentos e isso é muito importante nos dias de hoje. Eu estou começando este ano com meu studio e apesar de muitas dificuldades estou sempre procurando melhorar mais e vc só tem acrecentado em tudo isso, as suas dicas são muito boas e me fazem refletir na forma de trabalhar. Até sabado no curso para gestantes. Bjs Marilo

Silvia Gomes disse...

Oi Marilo! Fico feliz de poder compartilhar minha experiência contribuindo com os instrutores de Pilates. Conhecimento só é bom quando compartilhado! Nos vemos no curso, beijo!

Minha foto
Sampa, SP, Brazil
Mulher, mãe, professora de Ed. Física, instrutora de Pilates, uma apaixonada pelo movimento: o meu, o seu, o de todos nós, o de todas as coisas..