quarta-feira, 27 de julho de 2011

Do colete ao collant: a entrada do assoalho pélvico nas dicas do professor

Já faz algum tempo que temos falado sobre a importância comprovada da ativação do assoalho pélvico no contexto do acionamento do CORE.


Seja no momento de estabilizar a coluna como unidade mantendo-a firme, sem movimento para agüentar sobrecargas mais elevadas, quanto nos momentos de articulá-la “vértebra por vértebra”, o assoalho pélvico aparece na primeira tela, a dos atores principais, juntamente com o Transverso e demais músculos abdominais.


Não é uma novidade para ele, assoalho: essa musculatura que forra a pelve internamente e sustenta todo o peso das vísceras quando estamos em pé, funciona como um diafragma respondendo as variações de pressão impostas pelo outro diafragma, o respiratório, através do movimento exercido sobre o conteúdo abdominal.
A novidade aparece quando pesquisas mostram de forma cientificamente comprovada a efetividade dessa ação e a interação entre essa ação muscular em relação às demais que compõe a ação do CORE (ou Power house) .
Em posse desses novos conhecimentos, os instrutores precisam incluir em suas dicas verbais de aula, elementos que facilitem para o aluno a ativação do assoalho. Na postagem anterior aonde apresentei a matéria que desenvolvi na Revista Oficial de Pilates, compartilhei algumas opções de dicas.
Pessoalmente gosto muito da utilização da Biomecânica propriamente dita – “aproxime os ísquios internamente” – assim como das imagens – “pegue um gelo com seus ísquios e traga para dentro da pelve”.
Uma imagem interessante que me apareceu ultimamente foi a do collant. Se por muito tempo a idéia do colete, espartilho, cinta, estiveram em alta, hoje é tempo de questioná-la.


Por que?


Pelo fato de que a ativação do Transverso com seu efeito cinta gera pressão sobre o assoalho. Interessa desta forma, para a proteção e saúde do mesmo, que ele seja ativado inicialmente ou, ao menos, simultaneamente à ação abdominal.
Desta forma a idéia do collant entra como sugestão de imagem, justamente por ser uma veste que envolve toda a pelve. Vale imaginar um collant interno que suspende a região pélvica dando a mesma uma capacidade mais eficaz de sustentação e contenção dos órgãos pélvicos e abdominais em movimento.
A idéia é que os órgãos sobre a pelve sejam uma carga e não uma sobrecarga indevida.
Importante lembrar que a capacidade de relaxar completamente essa musculatura também é fundamental.


É isso aí! O que vocês me dizem do collant...rsrsrsrs


Abraços a todos! Silvia.

12 comentários:

Patricia Italo Mentges disse...

Parabéns Silvia por mais essa postagem!
A imagem para facilitação do entendimento da contração dos músculos do assoalho pélvico é inovadora.
Quanto mais esclarecimento, mais chance do trabalho ser bem sucedido.
Adorei a ideia do collant!
Beijos...

Suélen C. disse...

Olá Silvia! Nossa adorei seu blog! Me foi recomendado pela minha instrutora de pilates, a Cintia Marski. Como ela diz, o "bichinho do pilates" me picou, estou na prática a pouco mais de um ano e a cada dia me maravilhando mais com os movimentos e com as dores!
Muito bom saber desse lugar para ler as idéias, as dicas e as discussões a respeito do assunto que me interesso cada dia mais. Ótima a idéia do collant, a sustentação, bela sacada!
Um beijo e prazer em conhecê-la! rsrs. Suélen Cesaroni.

moscardini disse...

OI SILVIA,
ME IMPRESSIONA, COMO NOSSA CULTURA OCIDENTAL, DESCONHECE A IMPORTÂNCIA DO AP, TALVEZ POR AINDA CARREGARMOS PUDORES QTO A ESSA PARTE ESCONDIDA DO NOSSO CORPO....SE PARA MULHERES É DIFÍCIL A PERCEPÇÃO PARA OS HOMENS PARECE QUE ESTOU FALANDO LINGUAGEM ALIENIGENA...
GOSTEI MUITO DA IMAGEM DO PEGADOR DE GELO(É MAIS SIMPLES DO Q USEI OUTRO DIA(P OS ALUNOS)---DA LINHA DE PESCAR TRAZENDO O PEIXE NA ISCA....JÁ IMAGINOU RSRSRS?)
POIS É ESSA DO COLLANT É ÓTIMA, MAS PARA AS JOVENS TIVE QUE TRADUZIR-BODY- KKKKK
UM LIVRO QUE ME AJUDA MUITO É DO ERIC FRANKLIN-PELVIC POWER- E SUAS BRILHANTES POSTAGENS.
UM ABRAÇÃO
PS:TINHA PLANEJADO,ENFIM, FAZER O CURSO EM SALVADOR, MAS POR MOTIVOS FAMILIARES TIVE QUE ADIAR,,,UMA PENA...

Silvia Gomes disse...

Oi Patricia, que bom que gostou das idéias, Agora vamosclocar em prética e compartilhar os resultados. Beijo!

Silvia Gomes disse...

OI Suelen, bem vinda, espero que a leitura dos posts possa contribuir para sua prática. Você deu sorte, foi picada pelo bichinho diante de uma das melhores professoras que existem por aí... beijos!

Silvia Gomes disse...

Oi Claudia, é verdade, todos sabem da importancia do assoalho mas pocucos tem o dominio, a didática para auxiliar o aluno em sua ativação e relaxamento. O body/collant ajudam, a sunga interna justa para os homens também,agora esse lance de pescar é meio engraçado hein... amarrar a linha na vara é perigoso.. kkkkkk Beijos amiga, desculpe a brincadeira!

Patricia Italo Mentges disse...

Com certeza Silvia e, principalmente, compartilhar resultados!
Beijos e tudo de bom!

moscardini disse...

OI SILVIA,
KKKKK,,,O ESPÍRITO É ESSE MESMO...SENÃO AS AULAS FICAM MUITO SÉRIAS...CLARO SEM CAIR NA VULGARIDADE....ADOREI O COMENT
VI NO FB SEU ESPAÇO...LINDO!!!!

GDE BJ

Silvia Gomes disse...

Oi Patricia e Claudia, grata pela presença de sempre e vamos sim: compartilhar e divertirsempre! Beijos!

Silvia Gomes disse...

Oi Patricia e Claudia, grata pela presença de sempre e vamos sim: compartilhar e divertirsempre! Beijos!

Lilian Pinto disse...

Oi Silvia! Amei a idéia do collant!! O livro de Jan Endacott aborda o exercício do diamante; onde imaginamos este entre a região genital e o ânus e a partir daí o sugamos até a bexiga. Para trabalhar fibras de contração lenta, estende-se o tempo em que se consegue segurar a contração até alcançar o tempo de 10 s e descanso de 10 s, por 5 vezes, em média. Para trabalhar fibras de contração rápida, realiza-se o movimento de pulsar, também podendo repetir de 5 a 10 vezes, até 3 vezes ao dia!!! Bjão

Silvia Gomes disse...

Oi Lilian, muito bom esse trabalho de assoalho. Na verdade acredito que já venha bastante baseado nos trabalhos de Kiegel. Eu sempre sugiro associar o trabalho de assoalho, ainda que susutentando contracões ao repertório. Por exemplo: mantenha a sustentação de contração no alto da ponte (Bridging)ou na posição de cócoras e depois relaxe.
Obrigada pela contribuição! beijos, Silvia.

Minha foto
Sampa, SP, Brazil
Mulher, mãe, professora de Ed. Física, instrutora de Pilates, uma apaixonada pelo movimento: o meu, o seu, o de todos nós, o de todas as coisas..